Categoria: Moda
 
12 de agosto de 2015

hm8

Olá pessoal, quanto tempo não? Pelo que vi aqui nos arquivos, estou desde janeiro sem escrever aqui e nem parece! Afinal, o tempo tá passando bem depressa e a vida tá tão corrida, que não percebemos. Fui convidado pelo Luh pra voltar a escrever e aqui estou pra mostrar a vocês as coleções de verão que foram apresentadas na semana de moda de Paris.

Fiz um pequeno apanhado porque muitas grifes desfilaram e ficaria um post enorme, que eu talvez teria que dividir em duas ou 3 partes (se quiserem mais, falem pro Luh viu? hahah).

hm 1

Queridinha dos fashionistas mais antenados no mundo da moda (e uma das minhas favoritas), a Comme des Garçons não é tão conhecida por aqui (ou, pelo menos eu nunca vi nenhuma matéria mais centralizada nela).

A grife japonesa já é conhecida por ousar bastante em recortes, volumes e peças bastante gráficas e dessa vez ela não iria fazer diferente. Peças em tons terrosos, com estampas divertidas e clássicas, com toques metalizados e cortes assimétricos estão entre as mais poderosas da coleção. Com uma pegada grunge bastante característica, ela vem mostrando que dá sim pra brincar bastante de ser exagerado.

hm2

Uma grande conhecida e poderosa, a Givenchy veio para tocar na ferida (mesmo que em pequenos passos) da masculinidade: a desconstrução das imposições de gênero. Com saias e algumas peças bastante acinturadas, a marca traz cores frias e brincadeiras com o punk, é a onda gótica tomando conta. Também brinca com a questão da religiosidade e fé, colocando a figura de Jesus Cristo crucificado.

hm3

A Dior Homme veio com uma vibe mais conservadora, se arriscando apenas nas estampas e nas cores. Muitas peças camufladas e cores fortes em alguns pontos focais ou peças mais volumosas. Destaque para esse sobretudo laranja que eu amei e vou ter que trabalhar muito na esquina pra poder comprar.

hm4

Balmain veio com a mesma proposta das outras coleções, com os tons terrosos. Porém, brincou bastante com volumes, bolsos, costuras, assimetria e bordados. As sandálias são um show a parte, lindas, além de mostrar que sim, nós podemos ousar nos calçados no verão também. Detalhe ali da blusa de pedras que eu estou apaixonado.

hm5

Hermès veio com uma coleção mais leve e visualmente menos impactante. Com contraste de cores frias e quentes, ela coloca em harmonia esse contraste, juntando volumes e grafismos diferentes. Ainda traz uma onde meio retrô com o uso dos lenços no pescoço e peças de alfaiataria. Gostei bastante!

hm6

Um dos meus desfiles favoritos, a Saint Laurent veio com aquela pegada retrô dos anos 60/70, com muitas estampas divertidas, colagens, peças de couro, calças skinny e muita sobreposição. Os óculos tornam os looks ainda mais divertidos, além de eu me sentir numa divertida festa de rua retrô, ao passar pelas fotos. Ah, já quero o último look completo (porque eu não sou obrigado a ser normal, beijo).

hm7

Por último, mas nunca menos importante, tem o desfile da Louis Vuitton e suas peças acetinadas. Na mesma vibe das outras coleções, as peças transitam entre cores quentes e frias, alternando volumes. O grande destaque, ao meu ver, foi esse bordado lindo nas peças, tornando as peças mais sofisticadas e ao mesmo tempo divertidas.

O que podemos tirar de todos esses desfiles? Ah, podemos ser livres pra ousar no que quisermos. Não há limites, a não ser o seu conforto. Volumes, recortes, assimetria, pegada grunge, retrô, cores frias, cores quentes… vimos de tudo um pouco. Espero que esse post sirva de inspiração pra vocês e se quiserem mais, encham o saco do chefinho pra ele me colocar mais vezes aqui, hahaha.

Se quiserem me encontrar pela web, só conferirem o meu projeto artístico (mudei de site, gente) que conta com um blog também e o meu instagram. Beijão a todos e até mais! 🙂


Categoria: Moda
 
28 de outubro de 2014

bolsas masculinas de grife

Chega uma hora da vida adulta que deixamos um pouco a quantidade de lado e acabamos optando por mais qualidade. E acho que a gente vai percebendo isso com o tempo, no dia-a-dia e nitidamente em nossos hábitos de compras.

Tem gente que gosta de tecnologia, tem gente que gosta de ir à bons restaurantes e tem gente que compra roupas e acessórios. Confesso que meus olhos sempre brilharam para bolsas, e há um bom tempo tenho uma wishlist imaginária com alguns modelos dos sonhos.

bolsas grifadas masculinas chanel vuitton

O que antes era feito especialmente para a mulherada, começou a ganhar espaço no mercado masculino, e várias marcas começaram a ampliar os horizontes e investir mais nas linhas masculinas. Por exemplo a Louis Vuitton que há anos incluiu em seu portifólio uma extensa coleção destinada para nós, homens.

Eu não acho que você tenha que sair por aí ostentando grifes para ser feliz, o essencial é usar o que você gosta, acha bonito e pode comprar sem fazer loucuras, certo?! Mas sonhar não custa nada, e correr atrás de um sonho é extremamente gratificante né?!

bolsas de marca masculina para homens givenchy balenciaga hermes vuitton

Por exemplo, eu adoro o blog do Gabriel Gontijo e super me identifico com os looks dele, e claro, fico babando nas bolsas que ele posta. Nas fotos tem essa Givenchy pequena, e essa mochila incrível da Chanel. Ou Marc Jacobs, sempre carregando sua Birkin da Hermés por aí.

Mas Lúh, afinal o que você quis dizer com esse post? 

Que ultimamente eu ando em uma disputa interna comigo mesmo, entre comprar ou não uma bolsa boa… tipo tem horas que eu penso que vale a pena e que vai ser pra sempre, e tem hora que eu acho que é muito dinheiro e que eu poderia estar comprando um monte de outras coisas.

Mas ao mesmo tempo passo horas olhando bolsas nos sites da Barneys, Mr Porter, Louis Vuitton… E por aí vai. Se vou um dia comprar uma bolsa grifada? Não sei, talvez eu compre. Não sei marca, não sei preço, só sei que esse desejo existe em mim. A única garantia é que até a decisão de compra eu terei refletido muito à respeito.

Agora me diga a sua opinião, você acha que vale o “investimento”?


Testei  
23 de junho de 2011

A cada troca de coleções são lançadas novas tendências também em acessórios como bolsas e sapatos. No quesito bolsas então são clutches, bolsas grandes, bolsa box… Mas clássicos, são clássicos, e não saem de moda nunca. São peças curinga para compor qualquer look. Você conhece todos os clássicos?

O modelo Kelly da Hermés tornou-se popular após Grace Kelly utilizar o modelo da grife supostamente para esconder uma gravidez. Desde então a bolsa tornou-se um clássico e está no arsenal de muitas mulheres, apesar de seu preço salgado.
Já o modelo 2.55 da Chanel foi a primeira criação de Mademoiselle Chanel, seu nome é a abreviação da data em que foi criada Fevereiro de 1955. A fabricação desse modelo é totalmente artesanal e pode passar por até 180 etapas.
A bolsa Jackie da Gucci recebeu esse nome por Jackie Onassis, usuária assídua do modelo. Com o passar do tempo foi esquecido, mas relançado na era Tom Ford na Gucci.
A Louis Vuitton tem como carro chefe o modelo Speedy, existente desde 1933, o modelo tornou-se popular ao cair nas graças de Audrey Hepburn. Desde então foi lançada em vários tamanhos e estilos dentro das coleções da marca.
Mais um clássico da Hermés é o modelo Birkin. O modelo tem uma história bem curiosa, em um voô entre Paris-Londres, Jane Birkin derrubou acidentalmente os papéis que carregava em sua bolsa e ao seu lado, o diretor executivo da Hermés, prometeu criar um modelo de bolsa grande o suficiente para que carregasse seus documentos e papéis com elegância e comodidade. O sucesso é absoluto, e um modelo pode chegar a custar U$ 80 mil dólares.
Pra fechar, a caçula dos clássicos, Lady Dior. Já existente há algum tempo, o modelo tornou-se hit após, a então princesa, Lady Di começar a utilizar o modelo em várias ocasiões. Desde então, a bolsa leva esse nome e é sucesso de vendas no mundo todo.

Tão vendo só? Clássicos são o que são devido a uma história bacana. Em alguns anos poderemos incluir Balenciagas, Célines, Proenzas e muito mais!

.